Arquivo da tag: Super Pets

Quem será a(o) nossa(o) Super Pet? A Pet Med escolheu as 5 melhores e agora o público decide.

Já temos as 5 melhores histórias. Vejam abaixo da enquete as histórias completas! A escolha agora é do Público!!!

PP_5Melhores

 

Aline Sampaio salva o Victório

Estava trabalhando, quando observei pelo vidro do pet, uma movimentação próximo a uma boca de lobo, no próprio estacionamento do pet shop. Fui verificar e para minha surpresa era um gato preso na boca de lobo. A princípio providenciei ração para distraí-lo até fazer contato com o Corpo de Bombeiros, Policia, que se recusaram a fazer o resgate dizendo que não era serviço deles. (Revoltante) .Assim como amiga e protetora dos animais, arregacei
as mangas, chamei as pessoas do Pet, enquanto uns cuidavam para ele não voltar para o encanamento, outros providenciaram uma ferramenta para retirar a tampa. Fizemos um cerco de pessoas, fiquei com uma caixa de transporte e uma toalha pois nosso medo era que ele se apavorasse na hora que retirasse a tampa e fosse para a avenida, correndo risco de sofrer um acidente. Mas infelizmente ele estava tão debilitado que mal conseguia ficar em pé. Retirei ele com a toalha, dei banho, alimentei e ele ficou na gaiola e no final do dia foi levado por uma protetora para ser doado, e no dia seguinte foi adotado por uma família. Ele recebeu o nome de Victório, realmente merecido pois por uma analise da Veterinária do Pet, ele deveria estar preso no bueiro a dias pois estava caquético e talvez não aguentasse mais 1 ou 2 dias nessa situação.Esse história teve um final feliz, devido a solidariedade das pessoas que estavam ali no momento.
“Salvar um animal não mudará o mundo, mas mudará, o mundo daquele animal”!

Annie salva uma gatinha

Dia 20/03 levei para castrar uma gatinha q tem “dono” e mora num cortiço aqui perto de casa… era para ser “jogo rápido”, castra, medica, devolve para o dono e depois de recuperada da cirurgia, vermifuga, vacina e ok, parte para o próximo…. sim… se o dono ao menos se responsabilizasse de manter a gatinha sem acesso à rua, aos telhados e muros, etc e tal… resultado??? O dono não deu a mínima para as recomendações, os pontos abriram e me devolveram a gatinha dia 25/02 a noite, com um buraco fundo no abdome, q dava para ver a camada muscular.

No dia 26/02, pela manhã, levei para o vet q operou e ele achou q só fazer curativo diário e deixar a gatinha quieta seria suficiente. Saí de lá nem um pouco convencida dessa possibilidade, mas enfim, o vet é ele e não eu 😦

Por tudo q já tinha acontecido com a gatinha, achei melhor ficar com ela no “albergue” e o q seria apenas um “pernoite” virou estadia de ao menos uma semana. O problema é q no dia 03/03, qdo fui fazer o curativo da gatinha, uma parte pequena do intestino tinha saído pelo “buraco”… foi aquele corre-corre e ontem, 04/03, a gatinha foi operada de novo. Teve q fazer uma incisão maior, perdeu um pedacinho do intestino e foram feitos pontos reforçados em camadas. Agora serão mais 10 ou 15 dias de repouso!

Não é para desanimar???? Só pela gatinha, viu, pq se fosse pelo “dono”…..ah! talvez o “dono” não queira mais ficar com ela… será q eu consigo um adotante??????

Gabriela Lopes e a cachorrinha Pittih

Olá, me chamo Gabriela Lopes, tenho 17 anos de idade, moro na Bahia e estou aqui para contar a história da minha cadelinha que se chama Pittih e hoje, dia que vos escrevo ela tem 4 anos e 7 meses e 3 dias. Um amigo de meu pai que é caminhoneiro, encontrou pittih debaixo do caminhão dele na rua, em Recife. Ela era muito pequenina…Sabendo do meu enorme amor pelos animais ele resolveu pegar a cachorrinha e trouxe para mim. Ela é uma cachorrinha dócil, amo demais minha pequena, inteligente, companheira, linda, linda, linda e linda. Morávamos em um sítio bem em frente a uma pista, não muito movimentada, mas já perdi 2 gatos que foram atropelados na mesma e a próxima vítima seria minha cadelinha, mas isso não aconteceu e contarei o por quê.
Eu tinha 14 anos e Pittih tinha apenas 1 ano, por aí… Ela gostava de brincar perto da pista, quando ela foi correndo e de repente a vi indo para o meio da pista, não pensei duas vezes, no mesmo instante corri em direção a ela e já ouvi gritos de desespero da minha mãe que estava ali por perto, mas não enxergava nada, meu olhar focava apenas na minha Pittih que estava em apuros. Foi tudo muito rápido, igual ao piscar de olhos, talvez. Mas consegui pegar ela em tempo da moto Deus o livre a atropelar, cai no chão, me machuquei e o rapaz da moto parou e chamou meus pais, levei a maior bronca, mas valeu super a pena, pois minha Pittih está viva até hoje, um pouco adoentada…Mas iremos viver juntas por muito, muito, muito tempo!!!

Maryanny Moraes e a cadelinha Vitória

Sou médica veterinária e em um dia bastante corrido em minha rotina clínica, entra em meu consultório uma pessoa segurando o que me parecia ser um filhote bem sujo, tremendo, toda molhada. Não tenho mais informações sobre a pessoa que a deixou, apenas disse para fazer o possível para salvá-la, pagou e foi embora. Pelo que ouvi da pessoa que fez o seu resgate, a Vitória não era para estar viva hoje. Ela foi encontrada na rodovia Anchieta em um sábado movimentado andando pelo acostamento, próximo ao local encontrado, havia um saco de lixo de onde provavelmente
conseguiu sair. Era uma filhotinha sem raça definida de aproximadamente 4 meses de idade. Era pra ser o fim, ali, naquele local movimentado, pois as chances de atropelamento eram grandes, mais Deus permitiu uma segunda chance a essa vidinha. Foi colocada no carro e trazida para atendimento veterinário. Fiz os primeiros procedimentos, pois apresentava hipotermia, carrapatos, muito debilitada e desidratada.  Ao meu ver clínico, não tinha muita chance de sobreviver…. não conseguia se manter em pé, estava muito fraca. Assumi a responsabilidade, pois eu não poderia deixar de tentar salvar aquela vidinha…eu via em seus olhos o sofrimento, o trauma, o abandono… e claro, o pedido de ajuda. Ela ficou sob meus cuidados, fiz soro com vitaminas, foi aquecida, diversas medicações. Era um animal muito sofrido, tinha medo de humanos (entendo, pois alguém a colocou dentro de um saco de lixo e abandonou) e não deixava tocar em qualquer parte de seu corpo. Os dias passaram e os cuidados continuaram, aos poucos Vitória foi melhorando, dois dias após já se alimentava na seringa, mais ainda muito fraca e com muito medo. Uma semana após, Vitória já interagia com outros cães, levantava, brincava e se alimentava sozinha… chorava porque queria ficar perto das pessoas. Após sua recuperação, fiz uma campanha no facebook para doá-la e com quase 500 compartilhamentos, uma família se apaixonou e a adotou.  Um final feliz para quem tinha a mínima chance de sobreviver. Fica o meu relato de amante dos animais, protetora e médica veterinária. Esse foi o caso que mais mexeu comigo, conseguir tirar ela daquele estado crítico e ver que hoje ela está bem… é meu maior presente!

Maria Augusta salva Titizinho

Bem tudo começou com uma briga entre meu gato e outro, pois as vezes aparecem alguns felinos no meu quintal e acabam brigando com o meu gato Titizinho. Eu tenho uma gata a Mirella e a vizinha tem mais duas gatas, então há motivo suficiente para ocorrerem brigas. A pálpebra dele ficou bastante lesionada e começei a tratar com pomada oftálmica, quando levei a veterinária, mas a lesão só foi piorando. Ela fez uma calterização, mas como ele gosta muito de tomar sol isso poderia se transformar em um carcinoma. Fui procurar uma ONG em São Paulo na zona norte a São Francisco de Assis para realizar uma biópsia. Foi uma verdadeira via sacra com ele, pois não tenho carro e só conseguia pegar van/ lotação da Vila Galvão em Guarulhos, até o bairro do Jaçanã e depois pegar mais um onibus que passava próximo a ONG. Eu fiz isso com ele na caixa de transporte pelo menos umas quatro vezes e até chuva tomamos juntos, passamos fome, sede, cansaço, frio, horas de espera as vezes até quase oito horas, mas tudo por ele e para ele. Eu não queria saber de gastos financeiros só me importava a saude dele! Então veio o resultado do exame e constatou um tumor maliguino de baixo nivel celular, mas ele cresceu muito rápido e pegou o olho direito dele. Para mim aquilo era o fim do meu filho amado e querido! Então, resolvi procurar o Hospital Veterinário da Faculdade Anhembi Morumbi, pois ele necessitava de uma cirurgia de urgencia! E na UNG de Guarulhos onde resido não havia vagas. Estava desesperada, tive que pegar dinheiro emprestado com a minha tia para o tratamento, exames, medicação, processo pré cirurgico. No dia da cirurgia a minha tia que mora comigo há dois anos e tem 87anos de idade e praticamente é a minha ultima parente, foi comigo levá-lo para a cirurgia, e ficou comigo o tempo todo. Saímos de lá tarde e fomos e voltamos de taxi com o Titizinho. A cirugia correu bem, mas tive outra péssima notícia, aliás tres péssimas. A retirada da córnea direita, que realmente já estava muito comprometida, e um tumor grande no pulmão e pra completar ele é cardiopata e não suporta nem a primeira cessão de quimioteápico. Ele se definhou muito depois da cirurgia, mas eu o amo ainda mais porque… só eu sei o que eu passei e senti com o meu pai o seu sofrimento com a mesma doença e agora o meu filho…  Até consegui com que ele engordasse um pouco! Eu moro em uma casa de fundo e sempre ele está me esperando na escada a noite, seja tarde, com chuva, com frio, ventando mas miando muito quando ele ouve o barulho do portão se abrindo e estou chegando em casa. Ele aprendeu isso com o meu pai quando ele me esperava no portão quando eu trabalhava em loja de shopping e vinha tarde pra casa.O Titizinho sempre foi muito querido pelos meus entes que já não estão mais no nosso convivio, são eles minha avó, meu tio e meu pai, e só sobrou a minha tia no momento. Eu nem sei como estou escrevendo tudo isso pois é muita emoção e sentimento por um animal que é simplesmente demais! Mas com uma força, uma vontade de viver assim absurda!

 

A escolha é sua!!!! Todas as histórias são incríveis!!!

 

2 Comentários

Arquivado em Enquetes, PROMOÇÃO, Variedades

Naoto Matsumura: O Herói dos animais em Fukushima

Todos lembram do triste episódio em Fukushima, em que milhares de pessoas evacuaram o local deixando suas casas, seus animais, toda uma vida para trás.

O que muitos não sabem é que existe uma pessoa que desistiu de abandonar tudo por uma causa muito maior.

Naoto Matsumura é o único habitante de Fukushima. Toda a sua família foi embora, sua mulher e filhos, mas ele não teve coragem de abandonar tudo.

Naoto quando decidiu sair da cidade, se deparou com todos os animais abandonados por seus vizinhos e sabia que eles não teriam chance. Ninguém levaria animais com radioatividade para fora de lá e se ficassem sozinhos rapidamente morreriam de inanição.

Foi então que decidiu ficar e está até hoje lá cuidando de gatos, cachorros, coelhos, porcos, vacas, outros e até um avestruz!

naoto

Naoto não usa as roupas anti-radioatividade e acredita que daqui poucos anos a cidade voltará a ser habitada.

Outra atitude incrível de Naoto é que mesmo estando rodeado de casas e carros abandonados, ele, de forma honesta, disse que nunca entraria numa casa, ou pegaria gasolina de um carro. Ele sobrevive de economias, venda de coisas da sua casa e doações. Há dois anos se alimentando de comida desidratada, Naoto é um grande exemplo de que pessoas boas e Heróis existem!!!

Naoto Matsumura 06

É com muito orgulho que divulgamos essa História, um grande exemplo!!

Uma história que com certeza ganharia a nossa promoção Super Pet!

1 comentário

Arquivado em Campanha Responsabilidade Animal, Divulgação, Saúde Animal

Vida Animal – Uma luta emocionante para viver! Esta é a história de Foliska!

Poderia ser mais uma das 10 milhões de histórias de animais de rua que nunca encontram um dono. Vocês sabiam que 1 em cada 10 animais de rua encontram um lar? Muito… pouco! E a Pet Med luta para que isso acabe, luta pela responsabilidade animal.

Um certo dia a então agora chamada Foliska entrou na nossa vida! Junto com ela vieram preocupações e alegrias! Sim, ela precisava de cuidados pois era uma gata de rua!

Foliska foi o nome dado pois ela era uma gatinha de cor preta, igual aqueles foliscos  que caem na época da queima da cana de açúcar. E como esses folisquinhos chegam, vão sutilmente caindo em todos os lugares do ambiente e acabam ficando nas nossas vidas. Foliska também ficou!

Acho que é a gata mais amorosa que já vimos e então ela  foi conquistando um a um.

Logo que chegou tinha um corpo estranho, uma barriga saliente, era muito magra e tinha algumas falhas na pelagem que achamos que era alguma dermatite. Pensamos: ou era verme ou ela estava grávida!!!

O tempo passou demos vermífugo e o corpo ficou uniforme, digno de uma gata linda como era Foliska.

Só que a barriga continuou a crescer, e dois meses após a chegada dela, com a barriga quatro vezes maior, ela já não conseguia mais pular nas nossas mesas direito. Foi então que veio a preocupação: será que a doença da pelagem vai atrapalhar o nascimento dos filhotes. E foi então que dia 21/11 resolvemos levá-la ao veterinário!

Fomos em Piracicaba, cidade vizinha, na clínica Reino Animal  e fomos atendidas pelo Dr. Fernando. Ele ficou conosco quase uma hora dando atenção a Foliska. Contamos a história dela, a garra por ter chegado até ali e todo o amor que ela já tinha conquistado em nós todos da Pet Med.

Dr. Fernando ficou apaixonado pela Foliska, como ela era carinhosa e generosamente fez uma consulta incrível e gratuita dizendo que por todos os sintomas ela deveria ter seus filhotes em menos de 24 horas e questionado sobre a quantidade da ninhada ele disse, meio duvidoso:

– Estou sentindo 4 filhotes, mas pode ter mais ou menos, depende da posição deles.

Dr. Fernando alertou sobre o stress que a viagem até Piracicaba causara na Foliska e disse que a pelagem voltaria ao normal após a amamentação, pois como qualquer outra mãe, a Foliska estava dando todos os nutrientes ingeridos aos seus filhotes.

E foi assim que voltamos ao trabalho na Pet Med, curiosas para ver o nascimento dos filhotes de Foliska.

Em menos de 24 horas, Foliska subiu em uma das mesas e quando percebemos as contrações já era tarde, a bolsa havia se rompido e estávamos já com o ninho pronto para assistir a mais bela experiência das nossas vidas, o nascimento de 4 lindos gatinhos no dia 22/11/2012!!!

A equipe Pet Med tem muito orgulho da Foliska e de seus filhotinhos lindos. E o melhor, todos eles já terão casas e ela após a amamentação será castrada para viver ainda mais feliz e tranquila conosco.

E como esta história feliz, gostaríamos que muitas outras histórias de animais pudessem continuar como essa, com um final feliz!!!

Se você não tem como adotar ou resgatar um animal, pode ajudar de outra forma na nossa campanha de responsabilidade animal junto ao seu pedido de compra na Pet Med:

E se você tem uma história em que salvou um bichinho, participe de nossa Promoção:

3 Comentários

Arquivado em Artigos, Campanha Responsabilidade Animal, Doação de animais, Saúde Animal

SUPER PET: A PET MED lança o chamado para uma nova PROMOÇÃO. EM BREVE!!!

3 Comentários

6 de novembro de 2012 · 7:31 PM